quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

A DESESPERADORA CONDIÇÃO DO HOMEM (14 de 15)



                     
“Ninguém há que clame pela justiça, ninguém que compareça em juízo pela verdade; confiam no que é nulo e andam falando mentiras, concebem o mal e dão à luz a iniquidade. Chocam ovos de áspide e tecem teias de aranha; o que comer os ovos dela morrerá; se um dos ovos é pisado, sai-lhe uma víbora” (Isaías 59:4,5)
VISTO INDIVIDUALMENTE NAQUILO QUE PRODUZ.
        Estou encerrando a pregação acerca desse tema. Minhas orações é que nosso Senhor venha nos humilhar de tal maneira, que acenderá em nossos corações um real temor a ele. Mas não posso encerrar esse assunto sem mostrar que o pecado produz resultados devastadores. Para mostrar isso eis que Deus mesmo se encarrega de usar figuras de linguagem que nos fazem entender verdades espirituais. Temos visto no próprio texto que os homens são os instrumentos do pecado, a fim de conceber o mal e dar à luz a iniquidade. É isso o que o homem irá fazer aqui, a não ser que ele seja salvo e habita nele o Espírito Santo. A vida neste mundo é a glória de Deus e não nossa glória; a vida aqui é Deus operando sua glória, justiça e santidade por meio de homens e mulheres crentes, caso contrário é o pecado que irá agir e implantar o mal. Noutras palavras, ou é fruto, ou então será espinhos e abrolhos.
        Os resultados do pecado sempre foram e serão devastadores. Talvez algum leitor possa estar pensando que sou muito radical naquilo que creio e exponho. Mas sempre mostrei aquilo que prego à luz da verdade revelada. O próprio texto de Isaías mostra o quanto estou dizendo a verdade: “chocam ovos de áspide...”. Não está dizendo que os homens no pecado vão produzir coisas boas, porque não há ninguém que vai utilizar os ovos de áspide para suas necessidades, assim como usamos ovos de galinha ou de outras aves. Então, aprendamos as seguintes lições:
        1.     A inutilidade do pecado: “chocam ovos de áspide...”. “áspide” é o nome de uma víbora que frequenta lugares secos, pedregosos, entulhos brenhosos e sarças. A picada de uma víbora normalmente é fatal, se não for tratada urgentemente. Essa verdade ilustrada explica bem o que o homem no pecado pode produzir. Onde ele estiver, em casa, no trabalho, numa igreja, etc. ele há de “chocar ovos de áspide”. O que? É verdade isso? Claro! Caro leitor, a vida aqui deve manifestar fruto de justiça, santidade e a glória de Deus, caso contrário tudo terá os resultados desastrosos do pecado.
        Você pode argumentar dizendo que conhece muitas pessoas que fazem o bem; muitos que são religiosos e muitos que até mesmo ajudam outros. Mas o fato é que tudo deve ser visto à luz daquilo que Deus fala e não daquilo que eu penso e acho. Notemos que Jesus não elogiou os líderes religiosos – os fariseus. Ele não os colocou num pedestal de bênçãos; ele não os estimulou a continuar naquela jornada religiosa. Pelo contrário, ele os chamou de “raça de víboras!”. Nosso Senhor contemplou aqueles homens como elementos perversos; que debaixo de suas línguas armazenavam venenos letais contra o povo simples. Nosso Senhor não os viu como elementos úteis na sociedade religiosa. Cada palavra deles era uma picada venenosa que trazia resultados terríveis. Por essa razão nosso Senhor declarou que eles estavam marcados para a condenação do inferno.
        Meu caro leitor, quão terrível é viver no pecado! Quão horroroso é servir o terror aqui, mesmo sendo ignorante acerca dessas coisas! Quão terrível é saber que sem Cristo e a salvação não estou fazendo o bem, mas sim o mal; que não estou elevando meu próximo e engrandecendo ao Deus glorioso!
        Qual a solução? Eis que Deus ordena a todos, homens, mulheres, moças, rapazes, meninos e meninas que se arrependam e se humilhem perante ele. Que todos reconheçam que não há esperança, vida eterna e glória no céu fora do seu Filho. Então, agora é o momento para que pecadores se convertam e que confessem a Cristo seus pecados, a fim de encontrarem nele essa tão grande salvação.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

OCULTOS NA CRUZ (2)




“Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo” (Gálatas 6:14)
A INCLINAÇÃO NATURAL DO HOMEM EM BUSCAR ONDE SE GLORIAR.
        Nunca devemos baixar a guarda com nossa inclinação natural, porque, por natureza somos idólatras e tendemos a seguir a mentira. Todo pastor fiel sabe que a igreja de Deus precisa de constantes ensinos e admoestações, caso contrário a tendência é buscar recursos em fontes erradas e cheias de imundícies. Com os crentes na galácia foi assim, porque eles estavam deixando os santos e preciosos ensinos da graça, a fim de entrar no sistema escravizador da lei. Aqueles ensinos ministrados por judaizantes enganadores pareciam bonitos e agradáveis à natureza arrogante, mas Paulo logo mostrou o quanto eram venenosos e destruidores de um viver que se baseia inteiramente na dependência de Deus e na força da sua graça.
        Nós somos diferentes hoje? Não! Se não seguirmos os ensinos distorcidos da lei de Moisés, certamente satanás nos fará marchar para outra direção. Conheci uma senhora que se sentia imensamente satisfeita numa religião, cujo costume dos fieis era se ostentar numa vestimenta (para as mulheres) que não passava de extravagância, pois elas deviam quase cobrir os pés, os braços até a mão e chegar ao pescoço. Se fosse para uma região fria, seria de grande utilidade, mas para este clima extremamente quente de Ribeirão Preto, esse costume mostrava ser realmente esquisito.
        Mas a natureza humana, distante da compreensão real da graça de Deus, está em constante busca por aquilo que salienta certa vanglória em si mesma. Os costumes religiosos conseguem cativar a natureza carnal e tão arrogante dos homens caídos em Adão. Nós sempre pensamos que esses costumes são abraçados somente por pessoas simples, incultas e pobres, mas a verdade é que o engano do pecado impulsiona os ricos e sábios deste mundo. Todos são atraídos pela jogada da superstição; todos se sentem bem naquilo que parece ser espiritual, bonito e relevante para o suposto deus que eles têm na mente. Não foi assim com Israel? Pois logo que aquele povo fora tirado do Egito pela mão forte e poderosa de Jeová, eis que eles se reuniram para fabricar o bezerro de ouro, adorá-lo e recepciona-lo como se fosse o deus que lhes tirou do Egito.
        Muitos encontram motivos de vanglória, por exemplo, no batismo. Creem que a vida vai melhorar; que serão pessoas bem espirituais e que andarão como crentes, porque passaram pelas aguas do batismo. Sem a compreensão da verdade operante da graça salvadora em Cristo, a natureza carnal há de buscar sempre meios para se gloriar na carne, assim como os judeus se gloriavam na circuncisão. Este mundo está cheio dessas veredas tortuosas, as quais chamam a atenção e nos hipnotizam. Ultimamente tenho visto o quanto esse sistema diabólico pode levar homens e mulheres à práticas bobas e insensatas. Conheci alguém que fanaticamente costumava jogar o chamado “sal ungido” nas janelas de sua casa, a fim de que tudo ali fosse abençoado. É óbvio que as janelas foram as primeiras “abençoadas” com as lindas cores de ferrugens.
        Pessoas também acreditam que se puserem a bíblia aberta num local estratégico de sua casa, os males sairão e as bênçãos de Deus entrarão ali. Outros põem seus corações em alguma passagem da bíblia, como o Salmo 91, e assim destacam esse maravilhoso Salmo em sua casa, porque acreditam que os poderes das trevas cairão à direita e à esquerda. E assim podemos multiplicar esses atos tão procurados e ambicionados pela natureza que tanto é impulsionada a confiar na carne e nas mentiras emitidas por elementos enviados por satanás.

A DESESPERADORA CONDIÇÃO DO HOMEM (13)



                       
“Ninguém há que clame pela justiça, ninguém que compareça em juízo pela verdade; confiam no que é nulo e andam falando mentiras, concebem o mal e dão à luz a iniquidade. Chocam ovos de áspide e tecem teias de aranha; o que comer os ovos dela morrerá; se um dos ovos é pisado, sai-lhe uma víbora” (Isaías 59:4,5)
VISTO INDIVIDUALMENTE NAQUILO QUE PRODUZ.
        Estou tentando expor o texto, a fim de explicar o que significa a frase: “...concebem o mal...”. Reitero o fato que o pecado opera através de nossos membros, a fim de “engravidá-los”, por assim dizer. Significa que cada membro dará à luz novas iniquidades. E não pensemos que o pecado é coisa simples, por isso faz muito bem que examinemos de perto os horrores dessa proliferação do mal. Na página anterior pude mostrar o quanto o amor ao dinheiro pode resultar em numerosos pecados que tratam disso, como torpe ganância, roubo encoberto e outras atividades semelhantes. Também mencionei o fato que um amor obcecado pelo sexo pode conceber luxúrias e outras ardentes paixões que destroem vidas.
        3.     Um mero ódio pode conceber assassinato, porque há de criar raízes de amargura, rancor, vingança e ofensas, mesmo que a pessoa não empunhe qualquer arma para matar fisicamente alguém. Poderia ampliar esse assunto, mas creio que dei o suficiente, a fim de que meus leitores saibam o quanto maligno, destruidor e envenenador é o pecado atuando por meio dos homens aqui.
        Mas o texto vai mais longe, porque agora veremos de perto o que nossos membros dão à luz: “...dão à luz a iniquidade...”. Não é verdade que acreditamos ao contrário daquilo que Deus tem falado? Qual é o resultado daquilo que o pecado concebe e que nossos membros dão à luz? Podemos nós esperar algo de bom do pecado? Há no pecado algo significativo? Algo que edifica almas? Algo que nos eleva a Deus? Há no pecado algo pode formar homens de caráter, cheios de temor ou de pureza? Claro que não! Mesmo aquilo que admiramos e achamos ser bom no homem, seu resultado, entretanto é nefando e perverso. Quando tomamos a “lupa bíblica”, logo percebemos que não há nada, absolutamente no pecado que seja puro e que glorifique a Deus. Por essa razão tudo há de envenenar o ambiente e estabelecer arrogância e independência de Deus.
        Sendo assim, eis que devemos esperar sofrimento, tristeza, dores, gemidos e decepções neste mundo. Os dias neste mundo estão talhados de incertezas, pois o que hoje é alegria, confiança e esperança, amanhã pode ser transformado em desespero. Por essa razão Paulo declara em Efésios que os dias são maus. Significa que onde o pecado reside; onde não existe a santidade de Deus, mesmo que seja com a presença de um só crente, então é certo que não haverá paz e que os homens hão de sofrer os efeitos desse ambiente que a tudo devasta.
        Talvez você esteja perguntando no íntimo se tudo isso que tenho dito é verdade. Minha resposta é que em tudo tenho mostrado à luz do que está escrito, e não à luz do meu próprio modo de pensar. Aliás, é impossível para um homem inventar isso, porque não condiz com sua própria natureza enganosa. Há algo de bom no homem? Se acharmos nele algo de bom é porque não há pecado ali. Porém, alguns homens manifestam coisas boas e úteis. Mas o fato que essas coisas boas não vêm dos homens, mas sim de Deus. Quando Faraó buscou a solução para enfrentar a fome no Egito, eis que Deus mesmo despertou aquele monarca, caso contrário seria ele mesmo, juntamente com todo seu país e o mundo mergulhados numa fome letal.
        Amado leitor, sabemos que toda boa dádiva e que todo dom perfeito vêm de Deus. Cristo Jesus prometeu salvar pecadores e purifica-los de tanta imundície, por meio do seu sangue purificador (1 João 1:7).

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

"OCULTOS NA CRUZ" (1)




“Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo” (Gálatas 6:14)

INTRODUÇÃO:
        Exatamente ontem, no culto da noite pude pregar sobre a necessidade de humilhação. Mostrei a todos quantos vieram ouvir a Palavra de Deus que a igreja é um povo que precisa estar continuamente em santo temor ao Senhor, caso contrário seremos engolidos pela infame soberba que o diabo espalha por este mundo tão fascinado pelas mentiras, especialmente aquelas que aparecem disfarçadas de religiosas.
        Paulo entendia por experiência o que significava humilhação. Aquele grande homem vivenciou a suficiência da graça em sua própria vida, e sua carta aos gálatas é distintamente importante para nos ensinar essa verdade. Paulo mostra na carta o quanto qualquer erro doutrinário eleva a vanglória humana. Qualquer mentira, mesmo a mais ínfima, há de jogar veneno em tudo e fazer com a soberba humana prevaleça e foi exatamente isso o que aconteceu com as igrejas da Galácia, onde os crentes começaram a desprezar a verdade e a glória da tão grande salvação em Cristo, a fim de buscar refúgio na lei de Moisés.
        Nós estamos livres desses perigos em nossos dias? Claro que não! Esta atual geração presencia o “milagre da ressurreição”, porquanto satanás conseguiu levantar do pó antigas heresias perniciosas e que agora aparecem em todos os lugares, invadiram igrejas, tomaram as mentes de muitos pastores e assim, a vaidade e a arrogância dos homens ficaram ainda mais prevalecentes, para o desprezo da graça e da obra salvadora de Cristo na cruz, assim como estava acontecendo com nossos irmãos gálatas. Caro leitor, pode observar bem que quando o ambiente cristão não é carregado de humildade e temor perante Deus, certamente há mentiras encobertas ali.
        Voltando àquela maravilhosa carta, Paulo em seu amor pelos crentes procura diligentemente arrancar os irmãos desses tentáculos da lei (com as interpretações erradas da lei). Paulo usa sua própria experiência, a fim de mostrar o quanto a mensagem da cruz é a única arma poderosa e eficaz no combate a qualquer heresia. No texto ele diz: “Mas longe esteja de mim gloriar-me...”. A vaidade humana sempre busca glória em si mesmo ou para si mesmo; sempre queremos excluir Deus do nosso viver, a fim de que nossa própria glória apareça. Paulo mostra na carta o quanto ele mesmo tinha motivos naturais para se sentir religioso e capaz de ser entrar no reino de Deus. Ele afirma que sempre fora um detentor da lei e severo praticante. Mas assim que conheceu a história da redenção, todos aqueles pensamentos vieram à tona como sendo vis, loucos e blasfemos
        Aprendemos com Paulo em Gálatas o quanto qualquer elemento de mentira pode ser letal na igreja. A única imagem que cada crente deve ter na mente é mensagem da cruz; se quisermos ser crentes de valor, verdadeiros adoradores, verdadeiros santos de Deus, cheios de fé, coragem e de disposição para agradar a Deus em tudo, certamente a mensagem da cruz deve tomar nosso ser, nossos pensamentos e emoções. A igreja de Deus deve viver dessa história – a velha história que fala do nosso substituto, o qual ocupou o lugar de homens e mulheres marcados pelo pecado para serem atirados com justiça no lago de fogo.
        Sendo assim, temos em mãos Gálatas 6:14 para triunfarmos contra essas mensagens modernas, as quais parecem ser de Deus, porque elas chegam bem vestidas de lindas cores bíblicas. Mas quando são analisadas à luz da verdade da cruz, notamos logo que são provenientes dos demônios. Elas vieram para encher os homens de vanglória e não de temor e humildade. Por isso creio que é o momento para que a mentira seja expulsa e a glória do Cordeiro, nosso perfeito substituto seja exaltada.


A DESESPERADORA CONDIÇÃO DO HOMEM (12)




“Ninguém há que clame pela justiça, ninguém que compareça em juízo pela verdade; confiam no que é nulo e andam falando mentiras, concebem o mal e dão à luz a iniquidade. Chocam ovos de áspide e tecem teias de aranha; o que comer os ovos dela morrerá; se um dos ovos é pisado, sai-lhe uma víbora” (Isaías 59:4,5)
VISTO INDIVIDUALMENTE NAQUILO QUE PRODUZ.
        O texto de Isaías 59 é profundamente esclarecedor, no que tange ao estado depravado e vil do coração do homem. Deus está mostrando que o pecado no coração faz com que os membros de nossos corpos sejam usados como instrumentos que procriam mais maldade: “...concebem o mal e dão à luz a iniquidade”. A ideia é que aquilo que fora feito para produzir o bem e glorificar a Deus, agora no pecado só há de produzir aquilo que o pecado quer. O ensino que transparece ali é que os membros à serviço do pecado: mãos, pés, olhos, mente, boca, etc. hão de, por assim dizer, se engravidar para depois dar à luz a iniquidade. O que a palavra de Deus faz é atacar a mentira que enche o coração dos homens, de que eles são bondosos e de que há neles resquícios do bem.
        Sendo assim, o que podemos esperar dos homens? Conforme a visão bíblica, o estado tão miserável do homem no pecado é assombroso, desfazendo assim toda essa mentalidade tão satânica que envolve a multidão religiosa em nossos dias. Satanás, o pai da mentira que distorcer isso; quer implantar a mentira de qualquer jeito, declarando a todos que Deus está mentindo, que Deus é injusto e cruel em seu trato com os seres humanos. Mas a verdade é que quando o coração do homem não é mudado por obra do Espírito Santo e da Palavra de Deus, então a tendência é ir de mal a pior. Há no homem não santificado todo poder e disposição para multiplicar o mal, como coelhos e ratos se multiplicam. Novas maldades hão de ser geradas no homem que ainda não nasceu de novo. Por exemplo:
        1.     O amor ao dinheiro pode conceber ganância e roubos bem articulados no íntimo. E dessa iniquidade nasce a idolatria e outras maldades. Até mesmo entre o povo chamado “evangélico” vemos elementos disfarçados de pastores e com muita habilidade para manipulação das mentes e emoções. Seus intentos são gananciosos e normalmente ficam riquíssimos, sem que seus seguidores percebam que estão sendo saqueados.
        2.     Um amor obcecado pelo sexo pode conceber a luxúria e outros prazeres desordenados. Ora, satanás se incumbiu em utilizar elementos perigosos na sociedade para incendiar essas paixões, por isso vemos o quanto essas maldades tomaram conta de nosso país, de tal maneira que são vistas por muitos como coisa normal, natural e abençoado por Deus. Quando olhamos as Escrituras vemos como Deus mostra o quanto a imoralidade é resultado da sua ira. Em Romanos 1 a partir do verso 18 Deus mostra que torpezas e outras barbaridades sexuais manifestam o quanto Deus simplesmente solta os homens, a fim de que aumente ainda mais sua ira, como ocorreu em Sodoma e Gomorra.
        Estou chegando ao fim desta página, por isso quero mostrar esses reais perigos que envolvem até mesmo a igreja de Deus. Sem uma constante santificação, eis que os crentes estão sujeitos à queda em grosseiros pecados. Habitando ainda em corpos mortais e pecaminosos, eis que os crentes não estão imunes à essas maldades. Em Hebreus 12 Deus afirma que ele, como um pai amoroso trabalha constantemente em nos disciplinar, a fim de que sejamos partícipes da sua santidade. Sendo assim, um viver em humildade e dependência de Deus é necessário, se quisermos nos manter em pé neste mundo, sustentados pela graça e dando bom testemunho.
        Também, o poder da salvação em Cristo tem libertado milhares de homens e mulheres, os quais viviam escravizados sob a tirania do pecado.