segunda-feira, 23 de outubro de 2017

UM REI REJEITADO (5)



                                      
“Quanto, porém, a esses meus inimigos, que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e executai-os na minha presença” (Lucas 19:27).
UM REI REJEITADO PELOS HOMENS.
        Vemos como nosso Senhor foi um Rei rejeitado pelos judeus, com seríssimas consequências e na cruz eles demonstraram total abandono e indiferença ao Senhor, quando disseram que o sangue dele caísse sobre os filhos. Os anos têm provado quão séria foi essa decisão dos judeus, e até o fim terão que beber o amargo cálice, por terem rejeitado o Senhor da glória.
        As nações também rejeitaram o Rei da glória. O engano religioso, trajado de evangélico de hoje tem procurado asseverar que há nações, cujo Deus é o Senhor. Aqui no Brasil essa mentalidade tem inventado todos os meios, a fim de tirar os males por meio dessa “tremenda fé”, e assim tem declarado que o Brasil pertence ao Senhor. Mas é puro sonho e fantasia de mentes que desconhecem a realidade do pecado no coração. Deus tem seu povo em cada nação e esse povo forma a nação bendita.  Quero mostrar aqui o quanto todas as nações, desde o princípio simplesmente deram as costas para Deus e para suas santas leis. O que vemos aqui no Brasil? Vemos o domínio do bem? Vemos o povo buscando a verdade? Ou vemos a idolatria, o amor ao dinheiro, ao sexo ilícito e outras práticas pagãs? Afinal, quem reina neste mundo? Quem é seu príncipe galanteador, enganador e enfeitiçador? Não é satanás? Quem é o deus deste mundo? Quem é que dá força, energia e inteligência aos homens para suas práticas perversas? Não é satanás e suas hostes malignas?
        Sendo assim, quero mostrar com base bíblica o que as nações fizeram e fazem contra Deus. Quando o Senhor enviou Israel para destruir as nações em Canaã, ele mostra em Levítico 18,19 e 20 o quanto aqueles povos eram dignos de extermínio, por causa de suas práticas malignas. E foram muitas nações que simplesmente Deus as varreu da face da terra, devido às suas práticas malignas. Os humanistas sempre atacaram Deus, por achar que ele agiu com crueldade. Mas o fato que os homens desconhecem seus próprios corações; eles ignoram o reino de um Deus bondoso, misericordioso, gracioso e fiel e que prova isso em toda extensão da face da terra. Aqui neste mundo, em cada nação, em cada cidade e em cada rua deveria haver uma verdadeira demonstração de adoração, de louvor e de tributos de honras dados a Deus.
        Mas não é isso o que vemos. Vemos a mentira, como ela campeia por todos os lados; vemos suas músicas pagãs, mentirosas, frutos de mentes e emoções confusas e entenebrecidas. Vemos a maldade andando nas ruas e circulando nas praças; vemos os homens andando em suas paixões pecaminosas e com toda prontidão mostrando aos seus filhos o quanto eles podem segui-los. Isso que tenho dito aqui é muito pouco quando realmente vemos como as coisas passam do limite. Vemos em todos os lugares como os homens precisam de leis, de disciplinas e de punição severa, a fim de que o mal não venha a predominar e massacrar os fracos e indefesos.
        É claro que pretendo dinamizar esse assunto um pouco mais, mostrando o que a palavra de Deus quer que aprendamos acerca disso. O que mais importa é que nossos corações sejam examinados, a fim de ver se habita ali o Rei da glória, ou se habita ali a tirania do pecado.

VIVER PARA MORRER – MORRER PARA VIVER (2)



             
“Porquanto, para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Filipenses 1:21)
VIVER PARA MORRER.
        O que Paulo entendia e praticava no “viver é Cristo”, nos leva a compreender que é esse o estilo de vida que foi nos dado, assim que conhecemos nosso Salvador e Senhor. Com tristeza posso afirmar que o evangelho arminiano promoveu um estilo de vida sem qualquer compromisso com a vida que há no Filho. Devido ao fato que os arminianos creem que a fé vem do homem, consequentemente eles descansam nessa fé que, segundo eles, aceitou Jesus. Essa fé promovida pelo livre-arbítrio não dá qualquer sinal de vida, pois apenas descansa que foi salvo e pronto. Não há evidência de uma fé que está pronta para guerrear contra o mal; não há sinal de um verdadeiro herdeiro do céu, o qual marcha contra o mal em direção à sua herança eterna. O arminianismo é humanista, por isso sempre estenderá sua mão aos homens, confiando neles e descansando nele.
        Mas quando vemos o estilo de fé que Paulo mostra em Filipenses, percebemos com clareza o quanto está em pleno acordo com aquilo que vemos em toda extensão do ensino sobre como vive o crente neste mundo. Em Filipenses Paulo desafia àquela igreja, mostrando logo no início, que os crentes foram chamados, não para apenas crê em Cristo, mas também para padecer por ele (1:29). E Paulo mostra ser esse crente de combate, lutando aqui contra o mal e exibir assim a vida que há em Cristo, em pleno território onde opera a morte.
        É exatamente essa a verdade que preciso transmitir aos meus leitores nesta mensagem. Eu sei que milhares estão interessados por uma fé fácil; estão mais voltados para seus interesses terrenos, do que a glória de Deus no viver. Além disso, por todos os lados vemos como os falsos mestres expõem uma vida cristã mais fácil, mais belo e agradável à carne. O mundo hoje quer viver em paz com tudo e com todos; quer que o pecado seja tratado como um problema social e que nós mesmos podemos resolver tais problemas. Por essa razão, pregar sobre esse tema que eu trouxe aqui, em nada é apetecível aos amantes deste mundo.
        Deixemos de lado o que mundo pensa no campo religioso em nossos dias. Entremos no território santo da palavra de Deus e vejamos ali que a palavra de Deus nos convoca a uma guerra que é totalmente desconhecida para a fé fácil dos arminianos, bem como é para os mundanistas, porque a vida em Cristo nos colocou num campo de batalha diária. Em Atos Paulo afirma que não entraremos no reino de Deus sem luta. Não significa que estamos adquirindo salvação por meio de nossos esforços. Paulo não está ensinando salvação por obras, mas sim o fato de que aqueles que foram salvos têm vida agora. Antes eles estavam mortos, mas foram tirados da morte para o reino de vida, achada em Cristo. Agora, os verdadeiros crentes têm, por assim dizer, “músculos” espirituais. Agora eles podem embraçar a espada do espírito; agora eles veem os ferozes inimigos à frente. Noutras palavras, eis que os santos avançam, não para conquistar salvação, mas sim aquilo que a salvação lhes concedeu.
        Enfatizo isso, porque eu sei o quanto, os que não foram salvos, mas que se encontram dentro das igrejas vão lutar contra esse ensino. Eles não querem ser molestados; não querem ser tirados da zona de conforto. Que o Senhor nos livre dessa fé que não foi dada aos santos. Que o Senhor nos faça humildes, prontos para lutar.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

VIVER PARA MORRER – MORRER PARA VIVER (1)



            

“Porquanto, para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Filipenses 1:21)
INTRODUÇÃO:      
        Amado leitor, desejo mostrar o quanto essa confissão de Paulo é profunda e o quanto ela pode encher nossos corações de prazer e felicidade nesse “viver é Cristo”. Considerarei aquilo que para nossa mente natural é um paradoxo, pois o texto nos mostra isso: “Viver para morrer e morrer para viver”. Quando esse cenário de vida e morte e de morte e vida nos abre perante nossos olhos naturais, certamente conheceremos o que nos traz alegria no viver e no morrer, como trouxe para Paulo. Precisamos experimentar isso pela fé, em nossos dias. O mundo de hoje oferece um belíssimo cenário de vida natural e satanás tem enchido os olhos da multidão e atraído até mesmo os crentes, fazendo com que eles não busquem a verdade eterna, para que vivamos e nos alimentemos dessa verdade.
        Preciso usar essa introdução para advertir os crentes que pisam este terreno fantasiado de hoje. Se não entendermos essa lição conforme a palavra de Deus, nossa tendência será deturpar as palavras do apóstolo. A busca por um viver melhor aqui tem levado muitos a manipular a bíblia e distorcer textos bíblicos. Talvez, jamais houve um período quando o mundo passou pelos mais profundos enganos religiosos como nós estamos passando. Satanás quer trazer aos homens uma espiritualidade diferente, mais adaptada à natureza carnal e mais propensa a tornar os homens, por fora piedosos, por dentro perigosos. Então, necessário é que os crentes se humilhem perante Deus e que voltem de coração à palavra. E quanto aos não crentes, cuidado porque o espírito da época trabalha para endurecer ainda mais seu coração contra a verdade revelada.
        Quem quer pensar em viver para morrer e em morrer para viver? Ninguém! Hoje todos rejeitam os ensinos bíblicos e o viver do crente, porque acreditam que há crueldade e que traz desânimo aos homens. O que os grandes pregadores do passado anunciavam ao povo, é para o mundo moderno algo obsoleto, que em nada serve para os homens do século 21, em meio a tecnologia e um modo de pensar mais profundo. Mas o fato é que viver e morrer é a mesma coisa, desde a queda no Éden. Que diferença há entre aquela geração do princípio e os homens atuais? Nenhuma! O que Paulo viveu em meio à perseguição a dois mil anos atrás é o mesmo viver para os crentes de agora. O mundo é o mesmo; as atividades do diabo são as mesmas. O que a tecnologia moderna faz é nos ajudar a ver o quanto o mundo é, de fato enganador; o quanto os homens são iludidos e como vivem em profundo sono nas mãos do príncipe deste mundo (1 João 5:19).
        Assim, a linguagem aparentemente paradoxal de Paulo, para nós é uma linguagem que transmite o real sentido de viver. Os salvos pertencem a Cristo, estão unidos a ele para sempre. Fomos vocacionados para crer em Cristo e enfrentar este mundo em grande combate. A palavra de Deus é nosso livro, nossa força, nosso pão e nosso guia. Tendo a vida do Senhor em nós, significa que vamos entrar num mortal combate contra este mundo, suas hostes infernais e contra essa natureza carnal que está em mim. Que o Senhor nos fortifique e nos anime para continuar nossa luta. Que a verdade venha fortalecer nosso ânimo e nos ajudar a avançar em grandes conquistas para a glória do nosso Senhor.

UM REI REJEITADO (4)



                                     
“Quanto, porém, a esses meus inimigos, que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e executai-os na minha presença” (Lucas 19:27).
UM REI REJEITADO PELOS HOMENS.
        Estou lutando aqui para mostrar aos meus leitores, como a parábola contada por Cristo traz a prática lição de como os homens rejeitam o Rei da glória em seus corações. Foi assim com Israel nos dias de Samuel, quando já chegava ao fim. Mas também foi assim nos dias do Senhor, quando este estava aqui e em seu ministério confrontou o povo judeu. Mesmo sendo um povo com conhecimento da lei e dos profetas, todo esse ensinou redundou em orgulho e por fora eles mostraram toda disposição assassina que tinha no coração, quando eram confrontados com a verdade, conforme vemos especialmente no relato do capítulo 8. Foi essa a mesma atitude que líderes religiosos tiveram no coração quando os apóstolos foram erguidos no poder do Espírito, a fim de pregar sobre a ressurreição do Senhor. Aquela notícia abalou a falsa confiança deles, por isso eles não demoraram em perseguir os santos de Deus. Saulo em sua fúria assassina era uma demonstração particular do que pensava toda liderança religiosa, cujo coração estava endurecido, por isso com facilidade eles se ergueram para matar Estêvão com extrema maldade (Atos 7).
        Nós estamos acostumados a lidar com os homens, mas sempre olhando tudo do ponto de vista dos homens, em suas necessidades psicológicas e materiais. Se não cuidarmos em nos manter zelosos com a verdade, certamente deixaremos a palavra de Deus aos poucos, a fim de buscar recursos nas cisternas rotas da psicologia e do falso evangelho tão divulgado em nossos dias. O que podemos falar das nações? Será que o mundo é diferente em relação a Deus? Será que a ignorância bíblica não faz os povos serem diferentes dos judeus? Claro que não! Que diferença há entre os judeus e gentios? Nenhuma! Paulo afirma em Romanos 3 que todos foram colocados debaixo do pecado. Será que não há alguma religião que mude os homens, a fim de que eles se tornem melhores? Claro que não! Enquanto olhando para as aparências, Deus vê o coração; enquanto vemos costumes externos e zelos extremos, Deus continua a mostrar em sua palavra, provando o que o homem é no coração contra ele.
        Vemos em Romanos que Paulo, na inspiração do Espírito Santo procura mostrar que os homens sempre foram iguais, em todo tempo e em todos os lugares: “Pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23). Por isso não há desculpa pela ignorância, bem como não há desculpa pela cegueira dos religiosos. Ainda em Romanos, vemos no primeiro capítulo, a partir do verso 18, o quanto as nações no mundo agem com arrogância e com desprezo por Deus. Deus age com os homens no mundo na base de que cada um deles é responsável. Não importa se caíram, se não receberam ensino bíblico, se tiveram ou não os mesmos privilégios religiosos que os judeus tiveram. Deus não lida com os homens tendo como fundamento o conhecimento bíblico.
        Os homens não são meros animais; os homens são seres humanos, criados por Deus com inteligência, consciência e sabedores que Deus é o grande Criador. Deus não aceita desculpas porque eles adoram o sol, a lua e outros seres criados. O evangelho chega para proclamar que Deus é Deus e que todos vão comparecer perante o Juiz. Por essa razão o evangelho chega para levar todos à humilhação, a fim de que todos se arrependam.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

VIVER E MORRER II (11 de 11)



                              
“Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Filipenses 1:21)
O VIVER É CRISTO -      A MISÉRIA DO HOMEM SEM ESSA VIDA.
        Esta página encerrará essa mensagem que trata do “viver é Cristo”. Minha esperança é que tenha sido de profunda utilidade na vida de todos quantos apreciam a palavra de Deus, recebendo-a como um favo de mel. Os verdadeiros crentes entendem o que realmente significa o “viver é Cristo” e eles querem aprender mais. Estamos caminhando por essa via santa, rumo à perfeição; sabemos que enquanto não chegarmos lá, nosso viver de uma manifestação de luta feroz contra o mal, mas por outro lado de glória na alma, glória que vai crescendo mais e mais.
        É óbvio que para o homem no pecado seu “viver é o pecado” e não Cristo. Mesmo que muitos tentem forçar a situação; tentem fazer ao máximo em suas religiões. Mas a verdade é que sua alma ainda está torta, por essa razão o caminho aqui será inevitavelmente torto. Mesmo fazendo parte do grupo de apóstolos, Judas jamais poderia dizer que seu “viver era Cristo”. Seus desejos estavam subordinados ao sistema pecaminoso que operava em seu coração, por isso suas metas não eram eternas, mas sim terrenas, porque amou o prêmio da injustiça e recebeu essa atroz premiação, a qual lhe coroou com fogo eterno.
        Também, a bíblia mostra que o estado do homem no pecado é terrível, porque ele não se encontra sob a proteção e ternos cuidados do amor eterno de Deus, amor que Deus demonstra pelos eleitos. O homem no pecado está curtindo a ira de Deus, a qual o cobre continuamente como um toldo. Por isso sua felicidade não está em Deus e no Filho de Deus. Ele curte aqui o que sempre gostou e há de amar – o mundo com suas paixões. Tirá-lo desse ambiente é o mesmo que arrancar um peixe para fora da água. Assim, sem o salvador e a tão grande salvação, o homem no pecado vive do pecado, enquanto sua alma vegeta aqui. Enquanto parece verde no físico, eis que lá dentro seu ser definha e amarrota seu corpo gradativamente.
        A esperança do homem no pecado está naquilo que ele vê e espera daqui mesmo. Tudo o que ele quer é ter saúde, bens e grandes conquistas aqui. O mundo é visto como um lugar de aprazíveis paixões, por isso ele quer gastar seus bens e a si mesmo para conquistar tais paixões. O viver no pecado para o não salvo é um delicioso céu e cada dia ele abocanha um parte do bolo gostoso que o diabo dá, sem perceber que o veneno fica oculto e que olhos de águias vigiam sua vida e famigerados seres espirituais querem devorá-la.
        Qual é a esperança para os ímpios? Não há vida fora de Cristo, nem mesmo dentro de uma igreja boa e bíblica. A graça opera quando o homem se encontra completamente vazio de si mesmo. Quando Deus criou o mundo, ele o criou do nada. Quando Deus quer operar uma nova criação, ele também o faz do nada. Enquanto os homens continuarem resistindo a palavra, fugindo do amor salvador do Senhor e mentindo contra Deus, certamente sua situação ficará de mal a pior. Cristo veio ao mundo para dar vida aos pecadores. Ele realmente salva com perfeita salvação a alma contrita e o coração quebrado e esfarelado diante de Deus.
        Ó! Que aja uma alma assim, em agonia, querendo conhecer esse Salvador e receber dele a verdadeira e eterna vida!